Santos São Vicente Golf Club

Nosso clube, embora poucos na região o saibam, é um dos mais antigos na Baixada Santista. Como clube de golfe é o segundo mais antigo do Brasil! A data de nossa fundação - 2 de outubro de 1915 - representa efetivamente um marco histórico no panorama esportivo de Santos e São Vicente.

O Clube nasceu dos esforços e idéias da colônia inglesa da época. A quantidade de firmas britânicas poderosas, dominando as atividades de importação e exportação e um largo espectro de demais atividades no nosso Brasil de então, era notável.

De algumas delas surgiram nossos primeiros associados; São Paulo Railway; The City of Santos Improvements Company; Western Telegraf Co; Brazilian Warrant Co; Light & Power Company; Royal Mail Lines; Lamport & Holt Lines; Cunard Lines; F.S. Hampshire & Co; Bank of London & South América Ltd; Pratt House - e muitas outras. O pessoal empregado nestas firmas, em nível de gerência ou administração, era bem respeitável. A quantidade de recursos possibilitava bons empreendimentos para a colônia anglo-americana.

A “alma e cuore” da fundação foi HENRY L. WRIGHT. Reuniu os membros da colônia, e , juntando os recursos, promoveu a fundação oficial do Clube, nas dependências do Anglo-American Club of São Vicente.

Pode-se afirmar, que o Clube, levando-se em conta a época, já nasceu grande. Com os recursos prontamente levantados entre os abonados fundadores, promoveu-se paulatinamente a aquisição de vastas áreas, em uma zona então distante e remota, que ia da divisa com atual via férrea e atual fábrica de vidro Santa Marina, até praticamente todos os canais e mangues que circulam a nossa Ilha de São Vicente. A área era considerável, e nada existia em termos de “civilização” em torno do Clube. Aos poucos outras áreas foram sendo acrescidas, tendo em 1924 sido adquirida a última gleba.

De 1915 a 1928 HENRY L. WRIGHT foi presidente. A partir desta última data, passou a Presidente de Honra do Clube. Sua figura afável e nobre ainda hoje é lembrada pelos sócios mais antigos. Nunca perdeu o contado com a vida do Clube. Já bem idoso, o simpático velhinho, vinha até o seu Clube, com o motorista particular, e, não podendo sair do carro, nele ficava tomando seu whisky, que era levado com prazer até ele!.. Acompanhava o andamento dos jogos sempre com alegre interesse.

Algum tempo após a fundação, foi erguida uma sede social de madeira nobre e pinho de Riga. Tinha um bar (sem restaurante), os vestiários, masculino e feminino, e um terraço. O número de sócios efetivos era talvez maior do que hoje. Até 1936 a maioria absoluta, diríamos quase que 95% dos sócios, eram de anglo-americanos. Os brasileiros, pouquíssimos. Com início da Segunda Guerra Mundial muitos sócios retornaram, ou a Inglaterra ou aos Estados Unidos, para se alistarem nas forças armadas que combatiam na Europa. O Clube sofreu sério esvaziamento.

Segundo os sócios mais antigos, o ano de 1942 foi o pior de todos. O número de sócios caiu por demais, o bloqueio submarino impedia qualquer transação comercial, salvo a grandes riscos; não havia a chegada de material esportivo. E foi então que um brasileiro, ÁLVARO DE SOUZA DANTAS, assumiu a presidência de 1941 a 1947, conduzindo o Clube durante os anos difíceis da guerra , sendo que a partir de 1948 o número de sócios brasileiros começou a aumentar muito, sobrepujando os estrangeiros.

Um dos fatos históricos mais marcantes de nosso Clube foi a visita do então Príncipe de Gales, mais tarde Rei Eduardo VIII e Duque de Windsor, que no dia 4 de março de 1931, demonstrando suas habilidades golfísticas, logrou fazer um “hole-in-one”, que até hoje está registrado em um marco no campo.

Até 1951, a par das atividades individuais, o Clube sempre manteve um campeonato interno e a disputa da medalha do mês, bem como o ‘TROPHEU WRIGHT”. A partir de 1951, sendo prefeito de São Vicente Sr.CHARLES A. FORBES, foi instituído o primeiro campeonato aberto da CIDADE DE SÃO VICENTE.

Na década de 50 chegou-se a conclusão de que o Clube já merecia ter uma nova sede, mais condigna para os associados. Por intermédio dos diretores TARQUÍNIO FERREIRA, LEO NIOAC e FRANCISCO FORBES partiu-se então para o difícil empreendimento de erguer-se uma nova sede social.

A diretoria contou novamente com pleno apoio do entusiasmado quadro social. A exemplo do difícil ano de 1942, quando os diretores deram ao Clube, junto com grande número de associados, uma contribuição extra mensal de 20$000 réis (vinte mil réis), até a situação do bloqueio marítimo ser aliviada novamente, houve outras colaborações inestimáveis por parte dos associados.

Naquele ano de 1958 foi instituída uma contribuição de Cr$ 30.000 (trinta mil cruzeiros) pró-construção da sede, que foi unanimente subscrita.


Iniciada a construção em 1958, sob a supervisão do arquiteto ARNALDO CONCEIÇÃO PAIVA FILHO, e do engenheiro ARTHUR GUILHERME MARTINELLI, foi a mesma gloriosamente inaugurada justamente no dia 21 de abril de 1.960, para coincidir com a inauguração de Brasília. O custo orçado foi de Cr$ 3.000.000 ( três milhões de cruzeiros) da época.

Não podemos nestas linhas deixar de destacar que o Clube, no início, tinha bem mais “apoio geral” das autoridades esportivas e fiscais do que temos agora. Assim é que em 7. de outubro de 1919 o “The Santos São Vicente Golf Club” conseguia uma isenção de direitos alfandegários para uma máquina “movida a gasolina”, própria para cortar a grama do campo. A máquina chegara ao porto trazida pelo vapor ‘Nedmac” de Philadelphia. Da mesma forma, em 13 de novembro de 1919, uma grande caixa com tacos de golfe também era isenta, chegada pelo navio “Tintoretto” de Liverpool. A 19 de dezembro de 1.919 eram isentas caixas de bolas de golfe, trazidas pelo “S.S. Molière”; assim por diante, muitas isenções eram dadas estímulo do esporte. Hoje, com tantos e tantos brasileiros associados, maior apoio deveria ser dado para a divulgação do esporte de golfe entre nós. Há sempre esperanças...

Isto é, em linhas gerais e em rápidas pinceladas, o que tem sido o Santos- São Vicente Golf Club desde a sua fundação até os dias de hoje. O Clube continua relativamente pequeno em comparação com a maioria dos clubes de golfe no Estado de São Paulo, limitado pelo estatuto, e pela infra-estrutura, a 180 associados (=famílias), mas em compensação, o seu ambiente é como numa grande família, onde todos se conhecem e todos se dão bem, havendo sempre um clima de harmonia e fraternidade, em que todos estão sempre procurando melhorar as condições de funcionamentos das atividades esportivas do clube e do bem estar geral dos associados e visitantes.

Além do campo de golfe com 11 buracos - evidentemente o nosso maior patrimônio , o Clube possui uma sede social agradável, com varanda, bar e restaurante, sala de jogos e duas saunas (seca e vapor), bem como uma sala recreativa para as crianças. A esta última foi dado o nome de “AVELINO FERREIRO’, em homenagem ao saudoso gerente do Clube, por quase meio século. Portanto, um nome que faz parte da própria história do Santos -São Vicente Golf Club.

Finalmente, o Clube tem duas quadras de tênis de saibro, um “play-ground” para as crianças e uma boa piscina, dando assim possibilidades também aos não-golfistas de aproveitarem as suas horas de lazer no Clube.